O fluxo de caixa consiste em um instrumento de gestão financeira, de modo a controlar as entradas e saídas de recursos do negócio e a organizar corretamente as despesas, como pagamentos, aquisições e outros gastos. Mas será que o fluxo de caixa nas pequenas empresas é importante?

Muitos empreendedores acreditam que manter o registro das finanças é desnecessário ou que demanda muito tempo e pessoas. Mas um bom controle de caixa é fundamental para verificar as entradas e saídas financeiras, bem como a definição dos orçamentos e o planejamento de investimentos.

Para você entender melhor a importância do fluxo de caixa nas pequenas empresas, separamos, a seguir, algumas dicas para conseguir estruturá-lo e aperfeiçoá-lo. Confira!

Qual a importância do fluxo de caixa nas pequenas empresas?

A elaboração de um fluxo de caixa eficiente requer uma série de cuidados. Isso porque as informações coletadas e estruturadas nessa ferramenta possibilitam que o gestor possa elaborar estratégias para o crescimento da empresa. Em muitos casos, permite rever as situações negativas, como dívidas e problemas de estoque.

O fluxo de caixa corresponde, basicamente, em saber o que entra e sai de recursos da empresa. Ao contrário do que muitos empreendedores acreditam, não é uma ferramenta que serve para verificar o lucro ou o prejuízo do negócio.

Ainda é muito comum que sejam usados cadernos e ficheiros para realizar o registro das contas. Mas o fluxo de caixa para pequenas empresas já pode contar com tecnologias que facilitam todo o processo de estruturação. Isso ocorre desde a integração com os demais setores até a geração de relatórios atualizados e em tempo real.

Como montar um fluxo de caixa corretamente?

Quer aprender a montar um fluxo de caixa nas pequenas empresas e melhorar sua gestão financeira? Acompanhe algumas dicas simples e comece, agora mesmo, a fazer um bom registro das suas contas.

Faça o levantamento de todas as contas da empresa

O primeiro passo para uma organização eficiente e estruturada do fluxo de caixa nas pequenas empresas é o levantamento de todas as contas da instituição. Ou seja, saber de onde o dinheiro saiu, quando serão os recebimentos e pagamentos e de que forma serão feitos (conta-corrente ou poupança, caixinha e afins).

É fundamental que o empreendedor tenha conhecimento de todas as suas contas, de modo que as informações sejam atualizadas frequentemente e que cada transação seja lançada o mais rápido possível. Com o conhecimento desses dados para montar o fluxo de caixa nas pequenas empresas é possível reduzir os erros. Caso ocorram, evita-se a perda de tempo procurando documentos e notas por dias, semanas ou até meses.

Fique atento ao saldo inicial da sua empresa

Outra importante dica é definir um saldo inicial de cada conta. Isso porque o fluxo de caixa depende tanto do valor de cada movimentação quanto da data em que ela ocorreu, pois, a partir daí, é possível verificar se haverá alterações nos saldos futuros.

Por isso, assim que começar o fluxo de caixa, é fundamental definir o saldo da conta naquela data de início dos registros. Com a anotação constante das transações ao longo do tempo, é possível conferir o progresso das finanças e, assim, alcançar um resultado mais efetivo.

Categorize as despesas e receitas

Para se ter uma organização e controle efetivo dos gastos que foram feitos ou quais produtos/serviços deram maior retorno, é necessário classificar todas as movimentações. É importante destacar que a criação das categorias, em si, dependerá muito de como o negócio pretende fazer sua análise.

Portanto, é importante gastar um tempo para determinar como será o processo e qual sua importância. Não existe uma regra básica para a criação de categorias, exatamente porque elas são totalmente ajustáveis à realidade de cada negócio. Por isso, pense sempre nos tipos de análises e conclusões de que você precisará a partir do fluxo de caixa nas pequenas empresas.

Acompanhe prazos de pagamentos

Problemas com a organização do fluxo de caixa fazem com que o gestor fique perdido em meio a tantos compromissos que precisam ser pagos. Com isso, surgem os atrasos das contas, juros, multas e uma péssima imagem perante seus fornecedores.

Ao estruturar o seu fluxo de caixa, preste atenção nas datas de vencimento de cada compromisso. Isso é importante para evitar uma sobrecarga orçamentária e para conseguir fazer melhores negociações com seus fornecedores.

Algumas dessas despesas, quando não pagas dentro do prazo estipulado, trazem transtornos muito preocupantes, como problemas com demandas judiciais.

Não conte com o que ainda não entrou

Infelizmente, ainda não foi criada uma estratégia que eliminasse, de uma vez por todas, a inadimplência. Sendo assim, é importante não contar com os recursos que ainda não entraram no seu caixa.

Imagine a seguinte situação: você faz uma venda grande, mas o cliente parcelou aquela quantia em 10 vezes. Como você conseguiu vender um ou mais produtos de alto valor, enxerga a oportunidade de investir mais na infraestrutura do seu negócio. No entanto, o cliente só paga as duas primeiras parcelas. E agora? Você estava contando com esse dinheiro para arcar com o seu compromisso!

Esse é apenas um exemplo de um problema que você enfrentará se contar com os recursos que ainda não entraram no seu caixa. Essa atitude pode comprometer a sua gestão financeira e, consequentemente, aumentar as dívidas da sua empresa.

Saiba aproveitar descontos

Uma excelente maneira de otimizar o fluxo de caixa nas pequenas empresas é aproveitar os descontos que são oferecidos por seus fornecedores. Analise seu orçamento e verifique a possibilidade de adquirir seus produtos à vista.

Nesses casos, os descontos costumam ser bem atraentes e ajudam a otimizar os seus resultados. Com isso, é possível oferecer um preço mais atraente aos seus consumidores. Outra opção é realizar novos investimentos com esse valor que foi economizado na negociação, a fim de ampliar seu negócio e oferecer mais opções de produtos aos seus clientes.

Como o fluxo de caixa auxilia no planejamento e na tomada de decisões?

Um fluxo de caixa eficiente permite que você tenha uma visão mais ampla das suas finanças. Também, possibilita a identificação de gargalos que comprometem a gestão financeira do negócio.

Decisões sobre investimentos, contratação de colaboradores, troca de fornecedores, entre outras, precisam considerar todas as receitas e despesas da empresa. Essa consciência possibilita o desenvolvimento sustentável, o qual beneficiará toda a equipe e não apenas o gestor.

Quais os prejuízos de não manter essa estratégia?

Quando o fluxo de caixa não recebe a atenção devida, muitos setores da empresa são prejudicados. Um deles é o de vendas, pois o gestor não terá controle do quanto foi vendido à vista, parcelado ou no cartão. Com isso, fica difícil de entender para onde o dinheiro está sendo direcionado.

Muitas vezes, o que mais tem prejudicado a empresa são os gastos em excesso. Sem o controle do fluxo de caixa, é impossível identificar que gastos são esses e por que eles são feitos.

Podemos afirmar que o fluxo de caixa nas pequenas empresas é um dos pilares que definirão o seu sucesso. É por meio dele que você conseguirá gerir melhor os seus recursos e criar estratégias eficientes para eliminar gargalos e aumentar suas vendas.

Não se esqueça, também, de que é fundamental contar com profissionais experientes que ajudarão a gerir melhor o seu negócio. Veja as dicas que separamos para você acertar na escolha do escritório de contabilidade em Porto Alegre. Boa leitura!



 

Escreva um comentário

Share This